Ficou Acima Do Peso Nessa Quarentena? Conheça Os Efeitos Da Suplementação No Emagrecimento

Atualizado: Ago 28

A obesidade e o sobrepeso já se tornaram um dos maiores e mais graves problemas de saúde pública na atualidade, atingindo não somente adultos, mas também crianças e adolescentes.


O estilo de vida sedentário junto a uma dieta desequilibrada, podem levar a morte, incluindo o surgimento de inúmeras doenças, tais como, doenças cardíacas, acidente vascular encefálico, diabetes do tipo 2, osteoartrite, dores lombar e câncer, essas doenças estão associadas à obesidade, e, além disso, podem levar ao surgimento da “síndrome metabólica” – terminologia relacionada a outros diversos problemas de saúde: hipertensão, obesidade na região central do tronco, hiperglicemia, dislipidemia, entre outras.


Não é novidade que o exercício físico abrangendo modalidades da ordem aeróbica (caminhas, corridas de baixa intensidade, natação, esportes coletivos) e anaeróbica (treinamento de força – musculação) vem sendo discutidas há anos como terapia não-farmacológica para tratamento e prevenção da obesidade, sendo indicados para melhoras de composição corporal e ganhos de força e massa muscular. Todavia, métodos alternativos de prevenção e tratamento vem sendo utilizados para potencializar a perda da gordura corporal, destacando-se as dietas de restrição calórica (hipocalóricas), como também o uso de suplementos nutricionais.


Os suplementos tem ganhado amplo destaque no mercado mundial diante dos inúmeros achados apresentados pela literatura científica (basta uma rápida consulta em bases de dados como o Pubmed que podemos constatar mais de 48.000 trabalhos desenvolvidos), somando-se ao grande interesse da população e adeptos, principalmente os frequentadores de academias e atletas de diferentes modalidades esportivas que buscam meios mais rápidos e eficazes para atingir seus objetivos.


A suplementação de cafeína possui efeitos termogênicos (aumento do dispêndio energético) e tem sido recomendada como um potente indutor de perda de peso, além de reduzir a ingestão de energia. Estudo realizado por Westerterp-Plantenga; Lejeune e Kovascs (2005) demonstrou que a suplementação de cafeína pode ser utilizada como uma eficiente estratégia para perda de peso. Indivíduos com sobrepeso e moderadamente obesos suplementados com 150 mg/dia de cafeína por um período de 4 meses favoreceram de forma significativa o dispêndio energia e a oxidação de gordura.



Em estudo mais recente realizados por Hursel e Westerterp-Plantenga (2010) a suplementação de cafeína proporcionou aumento no dispêndio energético entre 4-5% e favoreceu a oxidação de gordura em 10-16%. Complementa os pesquisadores que aumentos diários de 71-95 kcal (300-400 kj) devido a ação da cafeína pode levar a substancial perda de peso em um determinado período de tempo. Segundo Dulloo (1993) o possível mecanismo que explicaria tal efeito termogênico da cafeína no metabolismo seria a inibição da degradação induzida pela fosfodiesterase de AMP intracelular cíclico (AMPc).


De fato, somente o consumo de cafeína sem a introdução do exercício físico não justificaria o seu uso, a fim de proporcionar os efeitos desejados. Portanto, analisemos qual modalidade de exercício poderia ser unida ao consumo de cafeína para conseguirmos os melhores resultados no processo de emagrecimento: exercício aeróbico; treinamento de força (musculação); ou ambos?


Para fundamentar esta questão um estudo realizado por pesquisadores americanos objetivaram comparar os efeitos do treinamento aeróbico e força visando encontrar a melhor forma de maximizar o emagrecimento. Para tanto, 119 voluntários obesos e com sobrepeso foram submetidos a 3 modelos experimentais durante um programa de treinamento de 8 semanas: 1) Grupo aeróbico: 20 km/semana realizados a 65-80% do VO2 pico; 2) Grupo treinamento de força: 3 x p/semana – 8-12 RM; 3) Treinamento aeróbico + Treinamento de Força.


Os autores concluíram que a melhor forma encontrada para potencializar o emagrecimento foi a combinação do treinamento aeróbico + treinamento de força, pois favoreceu de forma significativa a diminuição de massa gorda e aumento de massa muscular na população estudada quando comparada com os outros protocolos. Corroborando com os dados apresentados anteriormente um estudo publicado em abril de 2014 no periódico Journal of Sports Science mostrou que a junção do treinamento de força com o aeróbio foi mais efetivo em melhorar a adiposidade visceral, perfil metabólico e marcadores inflamatórios em adolescentes obesos.



Em suma, a suplementação de cafeína aliada ao treinamento de força mais o treinamento aeróbico parece ser uma excelente estratégia visando a de perda peso. Destaca-se a importância de sempre consultar um nutricionista para a prescrição das dosagens de cafeína indicada, e o profissional de Educação Física para ajustar e prescrever a melhor intensidade dos exercícios. Em adição, uma avaliação médica, sobretudo para os sedentários e de baixo condicionamento físico se faz necessário.



CONHEÇA O MAX DETOX E COMO ELE AGE NO EMAGRECIMENTO


Max Detox é um produto natural composto por 6 nutrientes, contendo um poderoso mix de vitaminas e minerais com 100% da IDR (Ingestão diária Recomendada), citrus aurantium, gengibre, biotina, chá verde (cafeína e catequinas) e picolinato de cromo que juntos promovem diversos benefícios a saúde.


O Max detox possui diversos mecanismos de ação, no qual otimizam as funções fisiológicas do metabolismo energético, sistema imunológico, controle da glicemia plasmática, função intestinal e influência diretamente a ação do hipotálamo no controle do apetite.



Seus compostos naturais agem de forma a melhorar as reações enzimáticas, favorecendo um ambiente metabólico mais saudável, aumentando sua disposição física, reduzindo o inchaço corporal, o acúmulo de líquidos e acelera a queima de gordura favorecendo a perda de peso quando associado a dietas de restrição calórica e atividades físicas regulares.





Gostou da matéria? Compartilhe com os amigos e seu like.




Referências Bibliográficas AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE POSITION STAND. Exercise and Physical Activity for Older Adults. Medicine Science and Sports Exercise, v. 41, n. 7, p. 1510-1530, 2009. AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE POSITION STAND. Appropriate Physical Activity Intervention Strategies for Weight Loss and Prevention of Weight Regain for Adults. Medicine Science and Sports Exercise, v. 41, n. 2, p. 459-471, 2009. AMERICAN GERIATRICS SOCIETY PANEL ON EXERCISE AND OSTEROARTHRITIS. Exercise prescription for older adults with osteoarthritis pain: consensus practice recommendations. A supplement to the AGS Clinical Practice Guidelines on the management of chronic pain in older adults. Journal of the American Geriatrics Society, v. 49, n. 6, p. 808-823, 2001. CALI, A. M. G; CAPRIO, S. Obesity in children and adolescents. Journal of Clinical Endocrinology and Metabolism, v. 93, n. 11, p. 31-36, 2008. DIEPVENS, K.; WESTERTERP, K. R.; WESTERTERP-PLANTENGA, M. S. Obesity and thermogenesis related to the consumption of caffeine, ephedrine, capsaicin, and green tea. American Journal of Physiology, Regulatory, Integrative and comparative Physiology; v. 292, n. 1, p. 77-85, 2007. DAMASO, A. R. et al. Aerobic plus resistance training was more effective in improving the visceral adiposity, metabolic profile and inflammatory markers than aerobic training in obese adolescentes. Journal of Sports Science, v. 14, p. 1-11, 2014. DIXON, J. B. The effect of obesity on health outcomes. Molecular and Cellular Endocrinology, v. 316, p. 104-108, 2009. DULLOO, A. G. Ephedrine, xanthines and prostaglandin-inhibitors actions and interactions in the stimulation of thermogenesis. International Journal of Obesity and related metabolic disorders; Journal of the International Association for the Study of Obesity, v. 17, n. 1, p. 35-40, 1993. FLETCHER, G. F. et al. Exercise standards for testing and training: a statement for healthcare professionals from the American Heart Association. Circulation, v. 104, n. 14, p. 1694-1740, 2001. HURSEL, R.; WESTERTERP-PLANTENGA, M. S. Thermogenic ingredients and body weight regulation. International Journal Obesity, v. 34, n. 4, p. 659-669, 2010. JAKICIC, J. M. et al. American College of Sports Medicine position stand: Appropriate intervention strategies for weight loss and prevention of weight regain for adults. Medicine Science and Sports Exercise, v. 33, n. 12, p. 2145-2156, 2001. SIGAL, R, et al. Physical activity/exercise and type 2 diabetes. Diabetes Care, v. 27, n. 10, p. 2518-2539, 2004. SCARPELLINE, E.; TACK, J. Obesity and metabolic syndrome: an inflammatory condition. Digestive Diseases, v. 30, n. 2, p. 148-153, 2012. TREMBLAY, A. et al. Caffeine reduces spontaneous energy intake in men but not in women. Nutrition Research, v. 8, p. 553-558, 1988. WESTERTERP-PLANTENGA, M. S; LEJEUNE, M. P; KOVASCS, E. M. Body weight loss and weight maintenance in relation to habitual caffeine intake and green tea supplementation. Obesity Research, v. 13, n. 7, p. 1195-1204, 2005. WILLIS, L. H. et al. Effects of aerobic and/or resistance training on body mass and fat mass in overweight or obese adults. Journal Applied Physiology, v. 113, n. 12, p. 1831-1837, 2005,



Texto produzido pela equipe Max Detox.


#maxdetox #emagrecimento #saudenaquarentena



Não comercializamos o Max Detox no Mercado Livre.

A venda do produto original só pode ser realizada através deste SITE OFICIAL e não nos responsabilizamos por compras realizadas em outros sites.

Evite falsificações e riscos a sua saúde.

45 visualizações

MAX DETOX

R. Capitão Afonso Junqueira, 165 - Sala 22
Centro - CEP: 37.701-042
Poços de Caldas / MG - Brasil

Atendimento ao Cliente:

sac@maxdetox.com.br

(11) 95866-8053

  • Branco Facebook Ícone
  • Branca Ícone Instagram
  • Branco Twitter Ícone
  • Branca ícone do YouTube

© 2020 Max Detox Brasil